Arquivo mensal: abril 2010

Segundo Surto – Turismo em tempos de Internet

           Este assunto é muito amplo, que poderia discorrer sobre o tema, talvez até escrever um livro sobre isso, mas quero apenas pegar alguns pontos que são imprescindíveis nos dias de hoje, já que a Internet está presente no nosso cotidiano. Mas o que quero destacar aqui, é o quão atrasado o Brasil está neste assunto. Ainda engatinhamos neste território, e iniciativas isoladas ganham destaque, não pela sua originalidade, mas pela falta de incentivo que o turismo tem. O site da Embratur por exemplo, ao invés de instigar o turista estrangeiro, ou até mesmo local, confunde-o mais ainda. Afinal faz uma sub-divisão através de roteiros que pouco interagem entre si e não revelam informações importantissimas, como por exemplo os dados de cada região, como chegar, onde se hospedar, o que fazer, essenciais para o turismo. Este é o site que seria o cartão de visitas do nosso país, afinal é o orgão que o representa, por isso deveria ter uma funcionalidade muito maior.
           Agora temos que nos curvar aos hermanos argentinos em termos de e-marketing, o site
Welcome Argentina para mim é uma referência em se tratando de vender destino na internet. O site divide as regiões do país, apontando o que tem de melhor, com fotos, videos, além de mostrar os pontos túristicos, e informações básicas, como onde se hospedar, distancia entre a localidade e a capital Buenos Aires entre outras informações. Peguei apenas um exemplo, de um país vizinho, com uma quantidade pequena de atrativos naturais e que consegue receber uma quantidade considerável de turistas. Não mais que o Brasil, mas caminham para nos ultrapassar, devido ao aumento no número de visitantes nos últimos anos. Não quero dizer que este aumento se deva apenas ao uso da internet, mas em tempos globalizados como o nosso, a rede deixou de ser a muito tempo uma passatempo juvenil e virou assunto de gente grande.
           O que me deixa entristecido, é saber do potencial turístico que o nosso país possui, mas nossos governantes nada o fazem para usa-la a nosso favor. Acredito e defendo que o turismo na localidade deva ser a consequência e não o foco para atrair turistas, explicarei melhor. Os visitantes ideais seriam aqueles que veem a cidade por causa de sua estrutura, hospitalidade e atrativos construidos para satisfazer seus moradores. Não aquelas que constroem já visando os turistas e esquecendo das necessidades básicas da população.
           Constato que o nosso querido Brasil ainda tem um longo e dificil caminho a ser trilhado, mas com perseverança dos profissionais do trade, e a colaboração do governo para os assuntos burocráticos, conseguiremos transpor estas barreiras e transformar o Brasil e um polo turístico mundial.

Primeiro Surto – Turismo no Brasil.

           Vou começar este projeto novo, em paralelo ao Blogzedie, blog no qual desenvolvo em parceria com meu amigo @ferosell Escolhi este nome Surtos & Devaneios, porque este espaço será usado para os meus desabafos e viagens na maionese.

           Neste primeiro texto vou falar sobre algo que estudei durante 4 anos, o Turismo. A tempos estou ensaiando falar sobre este tema, porque é muito amplo e dará para escrever um livro sobre o assunto, mas o que quero mostrar é que e o turismo há 10 anos está “empacado”.  A média de turistas estrangeiros que visitam o pais beira os 5 milhões, segunda matéria pública na revista Viagem e Turismo número muito inferior se comparado como o  México, por exemplo, que recebeu no último ano 21 milhões de turistas aproximadamente.
           Por anos o país adotou uma política de vender apenas carnaval e praia, imagem que ainda perdura lá fora, agora para mudar este panorama terá que ser feito um trabalho redobrado, que acredito não acontecerá até as Olimpiadas daqui a 6 anos.
           Grande parte desta resposabilidade, é do governo e dos orgãos responsáveis, mas também do setor turístico, afinal de contas deu o aval para a venda da imagem. Pelo que tenho acompanhado desde que ingressei no mercado, pude notar que falta um certo profissionalismo. O “jeitinho brasileiro” se faz presente na maioria das situações. O famoso Q.I também é outro ponto muito notado, quero deixar claro que não sou contra a indicação, bons profissionais devem ser indicados sim, mas no turismo nem sempre Q.I é sinal de bom profissional.
           As mídias que cobrem o trade, revistas, jornais e agora portais de internet, ao invés de investigar e apontar certas falhas, serve apenas para exaltar os resultados e encobrir deslizes, fazendo um certo jornalismo “chapa-branca”.
           Vejo grande potencial no turismo, por isso me graduei e dedico meus esforços, pois sei que em um país com dimensões continentais como o nosso, podemos sim fazer diferente, e colocar o Brasil em um patamar jamais alcançado. Basta querer, e buscar, coisa que ainda não vejo em um futuro próximo, mas quem sabe em um distante.

%d blogueiros gostam disto: