Arquivo mensal: janeiro 2011

Não gosto de Super-Herói!

 

Não gosto de super-heróis. Isso é fato. Nunca gostei de HQ’s, nem desenhos, muito menos jogos de vídeo-game, agora essa febre por filmes de heróis me irrita um tanto quanto. Quarteto Fantástico, Thor, Capitão América, daqui a pouco até o Homem-Codorna ganhará um filme. Devo ter assistido ao primeiro do Homem-Aranha, algum do Super-Homem, e o Batman só para ver a atuação do Heath Ledger.

Qual a graça de ver alguém salvar o planeta, que não seja você? Idolatrar o cinturão cheio de traquitanas de um cara vestido de freira? Ou pior, usar a cueca por cima da calça? O pior é o povo que gosta daqueles heróis do segundo-escalão, tipo Lanterna Verde, Homem de Ferro e tantos outros, estou falando apenas de um pequeno universo desses heróis. Se você for a uma feira de cosplays verá o quão farto e diversificado é esse universo, para não dizer babaca. Tem coisa mais cretina que você sair da sua casa, e ir para um lugar vestido de Ash (Pokemón) que não seja uma festa a fantasia?

Acho divertido ter super-poderes, se pudesse, gostaria de ter apenas um. Voar. Apenas para sentir o gosto da liberdade. Explorar cada canto do planeta, cada por do sol, cada cidade com suas luzes ao anoitecer. Ver o mundo de um ângulo que só os pássaros podem ver. Cruzar os oceanos, subir além das nuvens. Poder subir no prédio mais alto e se jogar sem se esborrachar lá embaixo. Poder e Liberdade, duas coisas que jamais se entenderão. Quero as duas.

Um café. Um destino. Duas pessoas.

 

Naquela noite, em um café qualquer da cidade, se conheceram. Vidas passadas foram trazidas à tona. Os amores, as brigas as desculpas, tudo perdoado entre um gole e outro. O que importará era dali para frente. O destino tratará de colocá-los mais uma vez frente a frente. As dúvidas até então foram sanadas, qualquer pergunta tinha a sua resposta pronta.  Entre pausas dramáticas e suspiros, tudo passara a ser compreendido. O beijo foi apenas para selar aquele encontro, tudo estivera traçado até aquele momento, enfim o quebra-cabeça da vida estava formado. Dali em diante seria um novo jogo, um de tabuleiro, de novas conquistas, desafios. A resposta estava em carne e osso, sentada a sua frente.

A parte das juras e promessas não fora precisa, pois um completará o outro. Parecia que antes de entrarem em cena, um script fora entregue a cada, tamanha afinidade. As frases sempre pela metade, com um aceno de cabeça, o outro já entendera a mensagem, e assim a conversa se estendeu durante a noite.

Do café para o altar. Nada de igreja ou convidados. No silêncio da madrugada casaram-se perante o luar, as corujas e folhas que caiam pelas ruas. A aliança fora retomada. Nada mais os separara, os filhos, Miguel, Laura e Pedro já fazia parte dos planos. A casa sem paredes, o cachorro correndo pelo quintal, estava tudo ali. Era o que cada um sonhara separadamente até se encontrarem.

Tudo intenso e vibrante, o “tempo perdido” fora retomado, e agora o passado não importara. Só queriam viver, e viver, cada segundo, cada olhar, cada sensação. Sempre fora assim, estava escrito no passado, no futuro, o presente era a grande dúvida.

Tornaram-se amigos, casal, amantes em menos de 24 horas. Toda a espera de vidas passadas acabara de se realizar. Enfim o grande encontro.

Mas quisera o destino mostrar também a sua velocidade. Uma vida inteira em menos de um dia, ao cair daquela tarde, se tornaram apenas dois estranhos. Levantaram-se do mesmo café e foram embora com lágrimas nos olhos.

Inspiração. E minha conversa com Deus!

 

Quando me encontrar com Deus frente a frente, terei uma série de perguntas para fazer praticamente um interrogatório. Nada daquelas coisas triviais que grande parte das pessoas querem saber. “De onde viemos? O que somos? Para onde vamos? Onde está Ulysses Guimarães?”. Estou listando todas para não esquecer, afinal de contas à emoção será grande, ficar tête à tête com O Criador de tudo, posso esquecer alguma coisa. Creio que tudo que existe neste mundo foi ele quem permitiu ser criado, como a Coca-cola, o chocolate, o controle remoto, coisas que todo mundo gosta, mas também tem coisas sem utilidade alguma, como por exemplo, o guarda-chuva, o aparelho de fax ou muito pior, para que serve o raio da Álgebra?

Mas neste meu papo com O Divino, além destas perguntas quero fazer algumas sugestões para um mundo melhor. Nada de todo mundo rico, com saúde, paz, pois creio que não estamos aqui a passeio. Mas algo para facilitar as nossas vidas. Algo que de um colorido especial ao nosso dia a dia. A Inspiração!

Precisamos dela para tudo, e há buscamos em todos os cantos, lugares, pessoas, ora encontrando-a ora não, e nessas horas bate aquele desespero. Estou a dias buscando algo para escrever neste espaço. Rabisco coisas aqui e ali, leio livros, ouço música, fico em silêncio, meditação em posição de lótus, e NADA. Parece que a danada fugiu sem deixar recado, nem avisando se iria voltar. Logo agora, que eu estou precisando tanto dela. Senti-me usado, traído, largado a minguas. Chegou me consumiu durante dias e partiu.

Toda noite, antes de dormir, sempre tento bater um papo com ele, O Senhor, peço encarecidamente que eu a encontre em algum lugar, em uma frase, um pedaço de música, qualquer coisa. Mas parece que não estou fazendo da maneira correta, ou que ele não quer me atender de forma alguma. Por isso cheguei a esta conclusão. Quando tiver a oportunidade de trocar “umas idéia” com O Criador, pedirei a ele que permita que a Inspiração seja vendida no supermercado. Em diversas quantidades, por quilo, ou litro, em pacote ou unitário. Que ela fique ali na prateleira, ao lado dos temperos, perto da maionese. Para quando abrirmos a geladeira, ao lado das cervejas ela esteja lá, ao nosso alcance, para que possamos devorá-la, consumi-la. Pense como seria lindo, acordar de manhã, ligar a tevê e ver a Ana Maria Braga dizendo: – “Acoooorda menina, hoje em nosso programa vamos ensinar uma receita de Inspiração Di-vi-na!” Ok isso já é exagero da minha parte.

Seria muito útil para todo mundo, nada mais bonito do que ver um trabalho feito de coração, ler algo que foi escrito pela alma, Sentir o peso das palavras, da mensagem, captar o que ela realmente quer dizer. O mundo seria um lugar tão mais bonito. Tão mais calmo, tão mais vivo.

Mas enquanto esse dia não chega, eu continuo atrás dela. E por um acaso ela não está ai com você?

 

Meus presentes de Aniversário! Finalizado!

Estava muito empolgado com a idéia de fazer 25 anos. N fatores me deixaram animado para que esta data chegasse, e enfim aqui ela está. Durante a semana fui alimentando várias idéias do que gostaria de fazer para comemorar e juntar com essa nova paixão que descobri ser este blog. Decidi pedir para 25 pessoas, amigos de longa data, amigos que conheci há pouco tempo, familiares, pessoas que trabalham comigo para que me mandasse qualquer coisa, seja texto, foto, música, recado que lembrasse de mim.

Este ano talvez seja um ano de grandes mudanças, está é a minha perspectiva para esta vigésima quinta primavera, por isso nada melhor do que ver com os olhos dos outros aquilo que não quero enxergar dentro de mim. E abaixo estão alguns deles.

P.S: Não consegui falar com 25 pessoas, outras estão doentes, como o caso do meu parceiro Ferosell, outros ainda não conseguiram finalizar. Por isso este post será atualizado sempre que receber algo novo.

* Com este video que a Nathalia fez e o texto de minha mãe, encerro este post dizendo a todos, MUITO OBRIGADO! O melhor presente que já recebi, sem dúvida alguma!

 

Presente da Minha Mãe

Thiago

O momento hoje de sua vida é de transformações, tudo o que eu desejo para você, é que Deus te ilumine, pois nem sempre temos serenidade para enfrentar alguns desafios e acabamos nos machucando. Você sempre foi determinado e passível de mudanças. Quantas perguntas sem respostas ficaram nesta sua cabeça, quantas incertezas, até o momento de você direcionar a sua vida. O momento mais difícil foi olhar você indo embora para buscar novos caminhos. Foi então que eu percebi que o meu Thi tinha crescido se tornado um homem e estava buscando um futuro. Tive momentos difíceis, mas superados com a felicidade de meu filho ter passado na faculdade. O tempo passou você se formou e hoje eu estou agradecendo a Deus pelo filho amado que eu tenho (apesar de ser um pouco ciumento), um neto muito querido, pois o valor que nós lhe passamos de família fez que você construísse um alicerce para sua vida. Com muito amor. Mamãe.

 

Presente da Nathalia (Parte II)

 

 

Presente da Xubas

 

Presente da Vanessa

”Meu presente para sua natureza romântica”

 

Presente da  Lisieux

 

Presente da Natalia

 

Presente do Leandro

 

Presente da Lisebing

 

Toda felicidade do mundo neste teu dia. só delicinhas e surpresas incríveis, pois tu é um fofo e eu te adoro muito.
milhões de beijos, seu lindo. Ter te conhecido é uma delicia cada dia

 

Presente da Nandoca


Thi,
Muitas coisas me fazem lembrar de você.
Boituva, Boi Sentado, conversas no MSN, a região da Água Branca/Barra Funda, o “curintia”, músicas eletrônicas, viagens pela América do Sul.
Mas acho que o que melhor pode representar minhas lembranças é a foto de um busão!!! Rs
Muitas vezes, passo ANOS sem encontrar meus VIZINHOS, que moram no meu próprio prédio! São Paulo é um caos, correria, loucura, as pessoas estão próximas e ao mesmo tempo distantes.
Mas com a gente foi o contrário. Éramos mais distantes, até nos aproximarmos por coincidências loucas em plena manhã! Se encontrar alguém uma vez já é muuuuita sorte, o que dirá encontrar duas vezes, a mesma pessoa, no mesmo busão, no mesmo horário, totalmente por acaso! Porque um se atrasou ou o outro saiu mais cedo…
Lembro de você tomando seu “café da manhã”, todo sonolento, e eu para variar tagarelando e pensando “Coitado, ele deve estar achando um porre ter me encontrado!! rs” ou eu assustada porque encontrei um conhecido logo cedo, toda bagunçada e com cara de sono!! Ahahah
Foi legal!
Depois disso passei a te procurar dentro dos ônibus sempre que entrava… E nunca mais te vi.
Mas a graça da vida é essa: o inesperado, o surpreendente.
Que possamos nos encontrar mais vezes, seja por acaso ou mesmo combinando algo. Agora que sabemos que temos amigas que são amigas, talvez facilite!!!
Quero que saiba que fiquei feliz de fazer parte do seleto grupo de 25 amigos a te fazerem essa surpresa… E que seu aniversário seja muito comemorado, com diversos motivos para celebrar e outros tantos para planejar. Afinal, a vida está só começando!! Ainda há muito que explorar, viver e ser feliz!!!
Parabéns!!

 

Presente da Mirella

Multifacetado: que apresenta muitas facetas; multiface. Que tem muitas faces ou muitos aspectos.

 

Ele é, simplesmente, um homem multifacetado! E isso já diz tudo…

Feliz aniversário, homem da música eletrônica, do Turismo, da comida japonesa, da paciência, da moda, das fantasias, da política, do rock´n´roll, do All Star, do futebol, das poesias, dos conselhos, do bom senso, da balada, dos amigos, da cidade do interior, do carinho, do underground, da ousadia… parabéns por apresentar tantas e tantas faces tão interessantes!

 

Presente da Sil

Feliz daqueles que podem dizer, eu tenho uma amizade verdadeira, tenho um amigo ou uma amiga com quem posso contar em qualquer momento, esse é um dos maiores tesouros que podemos conquistar ao longo de nossa vida. Esse texto fala sobre o que é uma amizade verdadeira, seus atributos, suas virtudes.

Amizade Verdadeira

É quando nunca estamos cansados para ouvir;

É quando existe um carinho todo especial;

É quando ficamos preocupados com coisas que achamos que estão erradas;

É quando o amigo se faz presente até nas horas em que achamos que não são precisas;

É quando existe cumplicidade;

É quando temos plena confiança;

É quando tentamos abrir os olhos do amigo;

Quando julgamos que esteja fazendo coisa errada não abandonamos.

Enfim, amizade é um bem muito precioso que precisamos conservar sempre, mesmo com todas as dificuldades que a amizade possa oferecer.

Amigos são pessoas muito importantes em nossas vidas, que temos que ter e saber sempre.

(Cecília Antunes)

Presente da Tia Ana

THIAGO SER…

Transcedental
Honesto
Inteligente
Amigo
Gentil e emissor de..
Ondas de paixão e paz

Bjs no seu coração com carinho Tia Ana

ah feliz aniversário, são os votos de todos nós aqui Tio Junior, Gui Vini e eu claro

 

Presente da Bia

 

É engraçado como as horas passam, os dias correm os anos fogem frente aos nossos olhos cegos e o tempo se vai ágil e silencioso. Como o mundo gira e, mesmo quando queira, não pode parar. É um segundo agora e outro segue. Segue devidamente em seu tempo e ritmo, em seu plano visível ou não. Construindo tantos momentos diferentes e únicos simultaneamente. Manejando uma quantidade absurda de histórias e aventuras provenientes de tantas vidas e seres que ele, esse tal Sr. Tempo, constrói só por ser o que é por fazer o que tem que fazer.
Há quem diga que tudo gira em torno do tempo. Para alguns, o insignificante. Para outros, o controlador. É imprevisível, mas é eficaz e necessário. Parece inquestionável, mas no fundo é mais vivo do que muitos podem ver ou entender.
Pois é exatamente assim que eu descreveria você, primo.
É engraçado como os anos se passaram muito rápido pra que eu pudesse perceber que aquele meu primo que sempre animava as festas de família com suas danças, palavras e risadas cresceu e como aquela pirralha que tinha esse primo como um ídolo também cresceu. Mas não cresceu somente de tamanho, cresceu também de coração, de carinho e sonhos montados em cima de pessoas como você. E ao redor dessa imagem linda e dessa forte e infalível raiz, essa pirralha se tornou nisso, nisso que eu sou. Nisso que admira muito a sua pessoa.
Como o mundo gira e, mesmo com todos os tombos que você já levou nesses seus vinte e cinco e bem vividos anos de vida, você não parou. E assim vai ser com os próximos também. Não pode parar. Você vai continuar firme e forte. E superando tudo com esse sorriso encantador no rosto!
É um segundo e outro segue devidamente. Assim como deve ser. Um passo após o outro devidamente em seu ritmo. Em seu plano visível ou não. Como o que você vê e como o que você sente. Como não só o que você é por fora, superficialmente, mas como o que você é por dentro, essencialmente.
E essas histórias e aventuras como a nossa, desde sempre até sempre ligadas, acontecendo ao mesmo tempo, como só mais uma, mas tão importante pra gente.
E o Sr. Tempo é você mesmo. Que maneja tantas situações fazendo delas inesquecíveis e imprescindíveis só sendo o que é e fazendo o que tem que fazer. Pois é, Sr. Tempo, tudo gira em torno de você. E os que dizem que o que faz é insignificante estão tão certos como os que dizem que é controlador. Porque é sim insignificante, mas é importante pra mim. E é também controlador, pois você é o Sr. do teu próprio destino. É tudo muito imprevisível, mas no final é certo e o necessário. São tuas escolhas e elas são o melhor pra você. Parece inquestionável, mas só parece, porque tudo e todos têm razões e, no fundo, transborda muito mais vida do que muitos podem perceber.
Tenha certeza disso, primo. Da forma que você esteja você transborda vida, você exala vida, você irradia vida. Nunca deixe que algo o faça mudar, Sr. Tempo. Porque eu, como muitos outros, amo muito você e quero ver e ter você pra sempre assim: feliz e vivo! E que venham os próximos vinte cinco pra você enfrentar. E, claro, pra eu enfrentar ao teu lado.

 

Presente da Carol

Não sou boa com palavras, mas foi o que saiu…

Poderia te descrever usando mil palavras e textos bonitos, mas como
pessoas, somos mutáveis e justamente por isso não há como fazer
descrições, apenas dar pinceladas de nós mesmos. Dentro de minha
insignificância, posso tentar pintar um quadro aproximado do real,
mostrando algumas de suas qualidades.
Hoje você já é um homem, saiu do papel de menino (ufa!!) e cresceu,
amadureceu, tornou-se uma pessoa diferente, mais forte, mais decidido.
Talento sobra em você, muita criatividade e senso de humor, e hoje uma
vontade de provar quem você é. Adelante!!! Capacidade e potencial
transbordam de ti. O que falta é só uma oportunidade, que chegará em
breve, tenho certeza! Só não esqueça de seus valores e sua essência, e
não queira impressionar ninguém, mesmo que a situação te obrigue a
isso, lembre-se:

“Viva a tua maneira
Não perca a estribeira
Saiba do teu valor
E amanheça brilhando mais forte
Que a estrela do norte
Que a noite entregou”

Seja feliz!!

 

Presente da Mayara

Para você, meus pára-choques!

Pois é tiozão, to aqui, as 4:30 da manhã de uma sexta-feira de insônia, para te escrever essa carta de aniversario.
Os amantes da madrugada sabem como ela é mais inspiradora. (Inclusive e principalmente você)
Te conheci por acaso, no primeiro sábado de Dezembro, e juro que gostaria te conhecer a mais tempo.
Porém acho que já descobri um pouco desse ser estranho que se intitula Thiago Melo…
E como esse ser fala!
Mas tenho que admitir, eu adoro. Pois não falta assunto. E eles se desenrolam e vão para outros e, já reparou que acabamos por não concluir nenhum?
Tenho que te agradecer, por mais que eu odeie essa palavra você realmente me influenciou nessa virada de ano…
Eu tenho um blog, e a culpa é totalmente sua!
Bem, vamos parar de falar de mim, embora eu seja muito mais interessante que você, o aniversario ainda é seu. (hehe)
Homem que tem uma cara de mau, pra esconder um menino não tão mau assim.
Totalmente viciado em tecnologias e informações sobre o mundo…
Capricorniano explicito! Com aquela pitada de Áries…
Sabe o que quer, e como chegar lá.
Em questões pessoais, humildade passa longe não é?! Você se torna leonino…
Ta bem, ta bem… Eu admito que você é apaixonante… (ta feliz agora??? hauehahee)
E não tem como falar de você e não abordar o tema: MÚSICA!
Ainda quero te ver nessas casas noturnas de Sampa, botando pra quebrar!
Você tem ouvido pra isso.
E realmente deveria investir…
Falta aquele momento retro da baladinha pra dançar junto… (anos 80 rulez!)
Pois é menino, gosto muito de você, te peguei nessa crise de bodas de prata, mas mesmo assim tu és um cara admirável.
Se não fosse a barba eu até pensaria em ser como você quando crescer…(^^)
Agora vamos aos meus votos para sua nova idade:
Fora o blá blá blá que você vai ouvir e ler o dia todo, Desejo que você tenha mais escadas e força pra subi-las, que você arrisque mais e pense menos, que você pare de desejar se apaixonar e realmente se apaixone todos os dias, que você durma umas horas a mais, porém que aproveite com mais diversão as que está acordado. E venha mais pra cá, porque amigo bão é assim, tem que vir visitar a atriz falida do interior! Suas visitas são deveras divertidas… (huhu)
E essa carta ta ficando grande demais pra quem se conhece a menos de dois meses.

Então é isso aí meu bem… Que sua crise dos 25, passe antes que a minha dos 19 comece, porque você vai ter que me apoiar… (hunf)

[comentário só pra te sacanear com a diferença de idade ahueahuheuahea]

Beijos meu anjo, e boa sorte nessa nova idade.

Ah, e ainda tem um bônus:

A primeira musica que me passou pelo MSN  ô/

The Yellow Moon Band – Focussed

 

Presente da Carlota

“Pra falar verdade, às vezes minto

Tentando ser metade do inteiro que eu sinto

Pra dizer às vezes que às vezes não digo

Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo (…)”

“Teu sorriso eu vou deixar na estante, pra eu ter um dia melhor.”

“Não acomodar o que incomoda.”

“Só enquanto eu respirar, eu vou me lembrar de você.”

“Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior.”

“Todo sopro que apaga uma chama Reacende o que for pra ficar”

“Quando alguém te disser tá errado ou errada que não vai S na cebola que não vai S em feliz

Que o X pode ter som de Z e o CH pode ter som de X

Acredito que errado é aquele que fala correto e não vive o que diz”

 

O dia mente a cor da noite
E o diamante a cor dos olhos
Os olhos mentem dia e noite a dor da gente”

Enquanto houver você do outro lado
Aqui do outro eu consigo me orientar
A cena repete a cena se inverte
enchendo a minha alma d’aquilo que outrora eu deixei
de acreditar

tua palavra, tua história
tua verdade fazendo escola
e tua ausência fazendo silêncio em todo lugar

metade de mim agora é assim
de um lado a poesia o verbo a saudade
do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
e o fim é belo incerto… depende de como você vê
o novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar
Vou me lembrar de você

 

Presente da Ci

Me lembro de você…

Ei lembra de mim?

Daquele começo de ano, daquele começo de noite, daquele começo de vida?

Lembra de mim de quando eu não te vi e você não me enxergou?

Lembra que o mundo estava quieto enquanto a gente se ocupava em falar, lembra?

Se esqueceu de como o vento cortava, o pensamento voava e a gente não entendia?

Então se lembre daquele dia

Mesmo quando te faltar a memória pras coisas da vida.

Mesmo quando o calendário se perca nos dias

E as horas cheguem e vão devagar e vazias

Escreva, desenhe, cante e pinte aquela tarde

Do dia que não te vi, do dia que não te conheci

E do sentimento do eu já sabia…

Presente do Diego


Presente do Ferosell

Quando o Boituva me pediu pra escrever esse texto eu fiquei meio cabreiro.

Primeiro porque ele começou falando assim no googletalk:

– Preciso te pedir uma coisa, mas é meio gay.

Pensei comigo, fodeu, ele tá saindo dos 24 anos e agora se decidiu. Menos mal que ele pediu que eu escrevesse um texto, mandasse uma foto ou uma música que lembrasse ele.

Segundo porque temos um blog juntos, que, apesar de estar fora do ar, escrevemos muita coisa por lá, então não sabia o que escrever.

Mas pensei como eu conheço esse cara há seis anos e como fizemos quatro anos de faculdade e mais seis Reveillons juntos, acho que eu tenho um par de coisas pra falar, uma dúzia de fotos de alguns roles e várias músicas. Mas acabei resolvendo escrever sobre como vejo a evolução de um cara que eu conheci com 18 anos e com o tempo se tornou o que eu posso chamar de melhor amigo.

Como já disse o conheci na faculdade. Ele era um cara gente boa e leal aos seus amigos desde sempre, mas eu vejo que ele aprendeu muita coisa desde lá, por exemplo, se hoje ele é um cara mais calmo e sossegado, antigamente ele não pensava duas vezes antes de enfiar o dedo no nariz de alguém que batesse de frente com ele ou um amigo (salve sobrinhos!).

Sabe esse cara que já viajou duas vezes pra Argentina e mal vê à hora de curtir a noite carioca? É o mesmo que tinha urticária quando ouvia um sotaque que puxasse o r de um garoto experrto e tinha planos de transformar Buenos Aires em um grande estacionamento.

E esse conhecimento musical, de dar inveja em muita gente, que vai de música brasileira ao rock mais variado, do samba a música eletrônica? Olha, se ele já o tinha quando eu o conheci ele guardava só pra ele, porque o que se via era só eletrônico e pagode/axé.

Acho que vocês já leram muita coisa sobre o que ele e nós todos passamos durante quase toda a década passada, mas queria só mostrar um pouco do que, na minha visão, é a maior evolução entre os que me acompanharam durante essa década.

Parabéns mano e Keep Walking…

 

 

 

Thiago! Por cinco minutos não foi Nathalia!

 

Nathalia. Esse seria meu nome se tivesse ficado mais cinco minutos na barriga da minha mãe. Agradeço ao médico por ter me tirado antes. Não pelo nome, que acho lindo, afinal é o nome da minha irmã, mas pelo fato de não ter nascido mulher. Não que eu não goste das mulheres, calma irei explicar tudo ou quase tudo.

Sempre fui um garoto normal, desde que tenho consciência disso, jogava bola na rua, empinava pipa, bolinha de gude, bater bafo então era craque. Durante o primário, a brincadeira mais divertida era irritar as meninas. Uma forma pré-histórica de chamar a atenção do sexo oposto, que se perpetua por séculos e séculos. Você vai até o alvo, geralmente aquela menina que no fundo você guarda uma paixão, e puxa o cabelo dela, com sorte, ela irá correr atrás de você. Digo sorte, porque se ela não estiver dando a mínima para o que você faz, ela simplesmente torcerá o nariz e não dará um passo na sua direção.

Continuamos. Sempre tive hábitos e gostos de menino. Aqui cabe um parêntese (Isto não é uma carta aberta, para me justificar, explicar ou qualquer coisa assim) Mas ao adentrar a vida adulta, percebo que gosto de muitas coisas, que os homens “normais” não se interessam. Explico. Sou corintiano do tipo maloqueiro e sofredor. Que fica xingando o bandeirinha no alambrado de tudo quanto é nome, entro no meio do porópópó, na saída do estádio devoro aquele lanche suculento de pernil com muita salmonela. Mas não perco um São Paulo Fashion Week, gosto de saber o que é tendência, o que deixou de ser usado, gosto de me vestir bem, e procuro saber tudo a respeito. Sim isso é um gosto peculiar você pode estar pensando, mas também gosto de espetáculos de dança, teatro, e qualquer tipo de apresentação que use o corpo para se expressar. Já até pensei em me matricular em aulas de dança. Mas nada de dança de salão, ballet contemporâneo ou jazz, talvez sapateado. Isso é apenas um exemplo. Posso passar horas aqui falando sobre o que gosto e o que não gosto, andar em shoppings e ver vitrines, receber e-mails de promoções e liquidações das marcas que gosto de usar e assim eu divago.

Tudo isso me fez e faz admirar ainda mais as mulheres, entender um pouco da alma feminina me deixa na vantagem de não as enxergar como um número ou um pedaço de carne que está prestes a ser devorado e os restos jogados no lixo, como muitos homens fazem. Talvez por ter sido criado em uma casa onde as mulheres mandam, acabei sendo influenciado por isso. Mas gosto da maneira como as mulheres mandam, governam e direcionam a vida. São fortes, decididas, mesmo que no seu intimo sejam frágeis, corações feito barras de manteiga derretida, mas não titubeiam, não arredam o pé em uma briga, mesmo que depois desabem em lágrimas.

Aprender um pouco com elas, talvez tenha me feito assim, da forma como sou, sempre tive muitas amigas e por ouvi-las demais, me permitiu esse aprendizado, que hoje está aflorado e que por muito tempo ficou guardado dentro de mim por vergonha. Mas agora, as vésperas das minhas bodas de prata, decidi ser o que realmente sou. Sem medo, sem vergonha, sem máscaras. O mundo precisa de pessoas assim como eu, que lutem de cara limpa, que vão à guerra com as armas que possuem. Como diria Rui Barbosa “Maior que a tristeza de não haver vencido, é a vergonha de não ter lutado”.

Música. Um dos deuses mais lindos!

 

Concordo com aquele tal de Nietzsche quando disse “Sem a música, a vida seria um erro”. Acho a música um dos deuses mais bonitos existentes neste mundo, tamanho sem poder de influencia sobre nós pobres mortais. Quem nunca acordou, ligou o rádio e saiu dançando de pijama pela casa? Quem nunca teve uma trilha sonora, enquanto namorava? Ou então colocou aquela música e saiu por ai cantando a plenos pulmões enquanto dirigia? Somente ela consegue nos fazer passar esse tipo de vergonha e ainda nos da à sensação de prazer. Faz o nosso cérebro receber a mensagem e liberar dopamina como se tivéssemos devorando uma barra de chocolate, ou uma coca-cola gelada depois de caminhar por horas ao sol.

Não importa o gênero, o estilo, pode ser Funk, pode ser Rock, pode ser Blues, Sertanejo, Bossa-nova, sempre abriremos aquele sorriso no canto dos lábios quando ouvimos aquela, aquela que só você sabe o motivo, mas te faz tão bem.

Vivo por música, e isso não é mentira, já acordo cantando alguma coisa e quando vou dormir, o fone está no ouvido. Sempre que ouço determinadas palavras algum trecho de música me vem à mente, e para cada pessoa que conheço tenho uma determinada música que me faz lembrar dela, ou de uma situação que vivenciamos. Algumas pessoas, claro possuem mais de uma música. Fases da minha vida são embaladas por música.

Já fui Rap, Rock, Reggae, Samba, sou crente. Crente que os deuses da música rogam por mim, por nós, por todos aqueles que param para ouvi-los, escutar suas palavra, pois cada acorde, cada nota que me invade é como uma benção. Os shows são como cultos, regidos por seus anjos enviados a Terra que em cima dos palcos da vida nos transmitem a boa nova, nos tranqüilizam e acalmam nossa alma. Os aplausos o amém.

E assim continuo fazendo a minha trilha sonora.

Take the red pill!

 

Observando o brasão da bandeira de São Paulo pude perceber os seguintes dizeres em latim, “Non ducor, duco”, que significa “Não sou conduzido, conduzo”. Numa era globalizada como a nossa, onde as informações nos invadem pelo computador, celulares, tevês em transportes públicos, me pergunto, será mesmo que conduzimos a nossa vida?

É só observar o nosso dia a dia, se formos fazer uma comprar em um valor alto, a não ser que você seja o Eike Batista ou esteja no topo da pirâmide, o banco não autorizará a transação, afinal de contas, não é o do seu perfil fazer transações nestes valores. Em pesquisa recente descobriu-se que o banco de dados do Facebook consegue saber se você está namorando ou não. O seu cartão de créditos também, pois ele faz um comparativo de todas as suas transações. De repente o seu e-mail é invadido por spams oferecendo os mais diversificados produtos, e nem citei o “enlarger pênis”.

A minha paranóia fica maior quando penso em universo. Quem garante que temos o controle de tudo? Existe apenas essa dimensão? Se formos apenas Sims controlados por algum jogador maluco? Nosso “livre-arbítrio” são apenas clicks de um mouse descontrolado. Quando ele quer, nos faz passar vergonha, fazer papel de bobo apenas para se divertir.

Fico imaginando a cara desses cientistas todo marrentos, felizes e contentes com suas descobertas, e de um dia para o outro, um cursor gigante em forma de disco voador invade o planeta, com um mega-fone potente o mundo inteiro ouvirá uma voz – “Humanóides idiotas, eu os controlo, vocês acham que controlam alguma coisa? Tudo isso é obra minha, e agora eu cansei de brincar, vou deletar este Save. Hasta la vista babaca!”.

Os céticos seriam os únicos que poderiam levantar a plaquinha de “Eu já sábia”. E iriam rir no final da história. Mas o universo poderá estar contido em uma bolinha de gude, ou então estarmos em uma dimensão em que a saída seja a porta de um armário, ou então em uma Matrix. Take the red pill!

Por isso, para a nova bandeira do estado, sugiro mudarmos os dizeres para “Clico, não sou clicado”.

A Despedida dos Tamanduá

 

Esse período “pré-aniversaresco” está me fazendo mal. É uma melancolia danada, pode se notar pelos últimos post. Talvez o ano contribua para isso, afinal fará 25 anos que a Terra está girando desde que sai do ventre de minha mãe. ¼ de século, bodas de prata. Estou neste período de relembrar o que já passou tirar algumas conclusões, bate aquela saudade nostálgica. Não gostaria de voltar atrás em nada, o que está feito, feito ficará, também não gostaria de ser criança novamente, muito menos adolescente com a pouca experiência que tenho hoje, como muitos dizem por ai – “Há como eu gostaria de ter a sua idade com a experiência que tenho hoje”.

O bom da vida é justamente esse, o “seguir em frente”, acumular experiências e histórias para se contar, afinal de contas elas nos acompanharão quando nosso coração já não mais bater. Toda essa introdução para contar um fato que marcou a minha vida, nem triste, nem engraçado, apenas um acontecimento. Todos os envolvidos se recordarão daquela noite. (Calma! Não atropelamos ninguém a noite na estrada, guardamos o corpo no porta-malas e desovamos em um rio. Não que nunca tenhamos pensado nesta idéia), (Brincadeira Mãe). Talvez a memória me traia, mas a idéia geral é o que importa. Vamos a ela:

 

O ano era 2003, um longínquo e frio oitavo mês daquele ano de 2003, Agosto. As férias escolares estavam acabando e a já quase acabada Turma dos Tamanduá* seguira o mesmo ritmo. Abertamente ninguém falara sobre o assunto, mas os encontros antes diários tornaram se escassos e isolados, alguns membros já não se falavam ou pouco se encontravam pelas ruas da pacata cidade. Mas todos sentiam que a euforia hora tomada por aquela nova amizade estava passando, foi desgastada com o término dos namoros de alguns integrantes e o processo de afastamento seguia o fluxo natural. Os amigos voltaram ao seu posto antigo, situado nos bancos da Praça da Matriz. Já as meninas voltaram a se encontrar apenas entre elas. Mas alguns laços ainda mantinham se de pé, e naquelas férias tudo ocorrerá de uma forma mágica posso dizer, e para fechar aquele ciclo decidiu-se então fazer uma festa. A “Despedida das férias”.

Sempre muito festeiros nós meninos tratamos de arrumar tudo, alugarmos uma casa com salão enorme perto do centro da cidade. Locarmos o som, iluminação, bebidas e tudo mais. Convites impressos era hora de correr as ruas para vendê-los para assim, fechar o mês em grande estilo.

Um dia antes do evento, nenhum convite vendido, quase ninguém na turma trabalhara, e o fantasma do prejuízo rondara os amigos. O dinheiro que possuíam mal dava para pagar o aluguel da casa, ainda faltava muita coisa, mas não se sabe ao certo como aconteceu, no final daquela tarde de sexta-feira, as pessoas começaram a chegar a Praça e comprar convites. Lembro-me até hoje, custava Sete reais, que festa se faz hoje em dia cobrando Sete reais? Detalhe era Open-Bar. E todos os cinqüenta convites que precisávamos vender foram negociados naquele começo de noite.

Euforia e excitação tomaram conta de todos. No sábado pela manhã já estávamos a postos para armar o circo e fazer a festa. A correria foi grande, lembro-me de ter tido apenas tempo de ir para casa tomar uma ducha, trocar de roupa, e voltar.

Estavam todos lá presentes. Como nos velhos tempos, mesmo sem o tradicional laranja das camisetas, cada Tamanduá já tinha a sua marca tatuada na alma, carregara para sempre aquele tempo divertido, aqueles quase 1 ano em que passaram noites e noites pelas ruas, casas e festas naquela linda cidade.

A “Despedida de Férias” foi perfeita, todos se divertiram, dançaram, riram, curtiram cada segundo, os amigos dos amigos presentes, uma confraternização única. Até hoje acredito que o ciclo tenha se fechado ali. Depois cada um foi para o seu lado, o que sobrou foram às lembranças daquela que talvez tenha sido a também Despedida dos Tamanduá.

 

Altruísta, EU?!

 

Quando me disseram que eu era altruísta, confesso que fiquei com um pouco de receio. Gosto de ajudar o próximo com pequenos gestos, os amigos e familiares também, mas não faço isso de caso pensado. Foi algo que nasceu comigo, desde sempre tenho uma dificuldade enorme em negar algo a alguém. (calma, calma, certos pedidos são veemente negados, principalmente este que você acabou de pensar) Mas o que me deixa triste é ver a tristeza no olhar de alguém por algo que não pude ajudar.

Já perdi a noção das vezes que me enrolei inteiro por querer agradar a todos, pelo simples fato de não conseguir dizer Não! . Aniversários no mesmo dia, no qual me comprometi a ir, viagens, coisas emprestadas então nem conto. Uma simples negativa não será o fim do mundo, um pedido de desculpas pelo não comparecimento antecipadamente resolveriam o problema, mas não quero estar em todos os lugares ao mesmo tempo. No casório da amiga, enchendo a laje do vizinho, acampando com os primos e levando os cachorros para passear. Tudo pelo prazer de ver aqueles que me cercam felizes. Isso é algo que considero importante.

Com o passar do tempo comecei a reparar que meus sentimentos sofriam do mesmo problema, me doava por aquela pessoa, e independente do meu sentimento, gostaria de vê-la feliz. Isso me faz pensar muito sobre aquela galera que “pega geral”, não se importando com o outro, soa muito estranho tudo isso para mim, talvez por isso sempre fugi de micaretas, carnavais em Salvador e afins. Talvez seja esse o principal motivo por eu ter sempre sido um 0x0 na balada. (mentira é porque eu sou feio mesmo). Mas voltando aos relacionamentos, quando eles não davam mais certo por algum motivo, era necessário termina-los. E isso na hora da “conversa final” me esfacelara a alma. Ver alguém chorando por minha causa era o pior sentimento do mundo.

O melhor é ter um sentimento platônico dentro de um altruísta, os relacionamentos acabam se tornando ciclos viciosos. Afinal, você projetou todo aquele amor que não será correspondido, por ser platônico e acaba se tornando um amor altruísta, amar por amar, simples assim. Mas somos imperfeitos e ignorantes dentro desta vida e tudo um dia acaba. E lá vem a paixão platônica novamente e assim se perpetuará para todo o sempre.

Não quero me tornar um mártir ou que se apaixonem por mim por causa disto. Apenas quero saber que fiz a diferença na vida de alguém. De forma positiva se possível, acho que para isso estamos aqui nesta vida. Acumular conhecimento e dividir experiências, ajudar ao próximo e tornar o mundo um lugar mais habitável.

%d blogueiros gostam disto: