Arquivo mensal: fevereiro 2011

Por que eu AMO a segunda-feira!

 

Mais uma vez, vou escrever algo que vai contra ao pensamento, acredito eu, que de todo o país, quiçá do mundo. Vou falar do dia mais odiado por aqueles que não gostam de fazer nada, a temida e mal falada, Segunda-feira. Não quero bancar o do contra, só porque todo mundo a odeia. Na verdade tem um dia da semana que eu odeio, e esse dia é a Terça. Mais isso é assunto para outro post. Vou focar neste segundo dia que tanto abominam. Claro que ninguém gosta de trabalhar, isso é um fato. Fugir dos problemas e afazeres é o que todo mundo sonha. Ficar em casa, de pijamas, deitado no sofá assistindo a Lagoa Azul na Sessão da Tarde, é o pensamento que ronda a mente proletária depois do almoço da segunda. Você lá, saindo daquele bandejão, acabou de comer aquela gelatina de morango que ganha na sobremesa, da uma última palitada nos dentes, e pensa, “uma hora dessas eu queria estar em casa, sem fazer nada, lembra quando estudava, chegava em casa e deitava no sofá de uniforme e tudo…”. E assim a mente divaga até voltar ao batente. Eu ao contrário, gosto de trabalhar. Não quero ser hipócrita. Mas como não nasci em berço de ouro, tenho metas e objetivos em mente então vão lá. Arregaçar as mangas e por o projeto de dominar o mundo em prática, e nada melhor do que um começo de semana para que as idéias estejam frescas na mente, as energias renovadas, afinal o fim de semana foi feito para isso. Não para descansar o corpo, mas para reorganizar as idéias, deixar os velhos problemas de lado e aspirar coisas novas. Semana após semana é a mesma ladainha de sempre, todo mundo reclamando, falando que gostaria que o final de semana não tivesse terminado que gostaria de ter ficado em casa dormindo, que não agüenta mais essa vida. Eu vos pergunto: – “Que raios de vida você quer ter meu caro?”. Assim como escrevi em um post anterior, o verão não pertence aos pobres, da mesma forma que a riqueza não pertence a quem quer ser vagabundo. Se não correr atrás do dinheiro, ele não cairá do céu. O que é uma pena. Se as chuvas que alagam São Paulo fosse em notas de 50 nossos problemas estariam resolvidos. Mas enquanto isso não acontece, a semana está ai para ser encarada. Às vezes penso que nasci no país errado, por pensar diferente da maioria, que já está esperando o carnaval chegar para ficar em casa, ou ir viajar. Claro que eu também quero pegar a estrada, sair em algum bloco com os amigos, me divertir. Mas se não tiver dinheiro para isso, para que vale um feriado? Mas talvez eu realmente tenha que ter nascido no Brasil, não para mudar o mundo, e fazer com que todos pensem assim como eu, ninguém merece ser velho ranzinza, mas que ao menos reflita um pouco e deixe a semana de quem trabalha ao seu lado um pouco mais alegre.

Por hoje é isso!

Essa música resume muito bem o dia de hoje!

 

Happiness hit her like a train on a track
Coming towards her stuck still no turning back
She hid around corners and she hid under beds
She killed it with kisses and from it she fled
With every bubble she sank with her drink
And washed it away down the kitchen sink

The dog days are over
The dog days are done
The horses are coming
So you better run

Run fast for your mother, run fast for your father
Run for your children, for your sisters and brothers
Leave all your loving, your loving behind
You cant carry it with you if you want to survive

The dog days are over
The dog days are done
Can you hear the horses?
‘Cause here they come

And i never wanted anything from you
Except everything you had and what was left after that too, oh
Happiness hit her like a bullet in the head
Struck from a great height by someone who should know better than that

O verão NÃO é para você!

Na sua casa tem ar condicional central ou ao menos no seu quarto? Você pode ir para qualquer praia do Caribe ou do Nordeste brasileiro quando sentir vontade? Se a sua resposta foi não para as duas questões acima, sinto-lhe informar, mas o Verão não te pertence, meu caro.

O Verão é a estação dos ricos, milionários, bilionários, zilhardários ou o que seja que há essa hora estão a bordo de seus iates luxuosos atracados na Bahamas ou Jamaica, cercados por lindas mulheres fazendo topless e tomando prosseco, ou em qualquer beach club no litoral catarinense aproveitando o sol escaldante, enquanto você está dentro desta roupa insuportavelmente quente, em um escritório que parece a filial do inferno de tão abafado, sonhando com uma cerveja gelada na Praia Grande.

Não me venha com aquela história de que no verão todos acordam mais dispostos, estão todos mais felizes e que gostaria que fizesse sol o ano todo. Isso é mentira. Eu duvido que você sustente esse pensamento quando chega à estação Sé, e tem que entrar em um vagão que mais se parece uma lata de sardinha. Encarar uma viagem de duas horas e um ônibus lotado, onde você sai mais amarrotado do que roupa que acabou de sair da máquina de lavar. Ou então quando você precisa andar na hora do almoço para comer aquele bandejão e corre para se refrescar com uma casquinha do McDonald’s. Toda noite é o mesmo parto, você abre todas as janelas da sua casa, liga o ventilador e fica fritando na cama, afinal de contas você não tem ar condicionado, e mesmo que tiver, terá que gastar todo o seu salário para pagar a conta de luz.

Odeio aquela ladainha quase mantra que todo proletariado repete, “como eu gostaria de estar em uma praia agora”. Eu também gostaria de tanta coisa e nem por isso fico repetindo em voz alta para que aconteça. Acho que as pessoas pensam que se repetir isso três vezes em voz alta irá acontecer. O mais próximo que você chegará de uma praia é o Sesc Itaquera e olhe lá.

Portanto peço encarecidamente que não fique me torrando a paciência com assuntos ou comentários como esse. Isso deixará o meu verão senegalês menos insuportável.

Tudo que perderei em 2011!

O Ano começou agitado para aqueles que assim como eu, tem bom gosto musical. Por isso decidi postar aqui todos os shows que eu irei perder no decorrer deste ano. Afinal de contas eu faço parte da base da pirâmide social/econômica. A plebe, o proletariado. Não conseguirei ir a todos os shows, festivais e baladas que eu gostaria. Por isso listarei todos aqui para que quando chegar dezembro, e a Simone aparecer mais uma vez cantando aquela maldita música, eu decida cortar os pulsos. Na próxima vida, quero ter mau gosto, gostar de pagode, axé, funk sai muito mais barato, afinal de contas, quanto de custar um “show” da Gaiola das Popozudas, ou do Asa de Águia, ou pior, do Jeito Moleque?

Ok, tudo pode mudar, caso eu arrume um emprego que me pague 10mil reais por mês ou ganhar na mega-sena. Até lá continuo preenchendo a minha lista, mês a mês. Vamos a ela:

 

Janeiro

Summer Soul Festival – Amy Winehouse, Janelle Monáe e Mayer Hawthorne.

 

Meca Festival – Vampire Weekend, Two Door Cinema Club.

 

D-Edge (SP) –  Ricardo Villalobos

 

Fevereiro

 

No Mondays – LCD Soundsystem

 

D-Edge (SP) – Booka Shade e Trentemoller

Evaporar

Quando faltam palavras!

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: